Esta é uma pergunta feita várias vezes pelos portugueses. Sem dúvida que é das decisões mais importantes da vida de uma família, na hora de optar são vários os fatores que deve ter em conta.

Arrendar pode ser uma boa opção para quem não quer uma responsabilidade fixa durante longos anos, por outro lado, para quem procura estabilidade comprar poderá ser a melhor opção. Na balança coloque quanto quer gastar e que tipo de investimento está disposto a fazer, seja no presente ou no futuro.

Compensa arrendar?

São as despesas iniciais que fazem a grande diferença entre a compra e o arrendamento. Num arrendamento o investimento será dois valores de renda, que normalmente é a exigência da maior parte dos senhorios. E também deverá ter em conta que o arrendamento permite deduzir no IRS 15% das rendas suportadas, com um limite anual de 502 euros.

Ser arrendatário traz também várias vantagens no que toca a despesas e responsabilidades, por exemplo o facto de não ter despesas iniciais, como o IMT, imposto de selo ou escritura, de igual forma está também de parte os gastos periódicos como o IMI ou o pagamento de condomínio.

Para além disso tem também a possibilidade de poder mudar de casa quando quiser, desde que avise o senhorio dentro do prazo definido no contrato, um fator apelativo para as gerações mais jovens.

No entanto essa “liberdade” pode ser um dos contras do arrendamento, uma vez que funciona também para o senhorio que de igual forma pode opor-se à renovação do contrato.

 

Compensa comprar?

 

No que toca à compra de habitação os bancos são obrigados a exigir uma entrada equivalente a 20% do valor da avaliação do imóvel, emprestando assim os 80% restantes. Com a subida do preço das casas nos últimos anos, este tem sido o maior entrave das famílias que optam pela compra.

Além do valor da entrada inicial acrescem ainda outros custos iniciais: gastos notariais e de registo, imposto municipal sobre as transmissões onerosas de imóveis (IMT), o imposto de selo sobre o valor da aquisição (0,8%) e do crédito (0,6%), e ainda as comissões iniciais referentes ao empréstimo.

Como vemos, ao contrário do arrendamento, a compra exige que sejam feitas contas a longo prazo. No entanto sendo a compra uma solução permanente é também um investimento que enquanto proprietário poderá gerir como quiser ao longo dos anos. Ficará ainda com património para deixar aos seus herdeiros.

Faça contas

Portanto antes de tomar qualquer decisão faça contas, reflita e coloque na balança todos os prós e contras de cada opção.